Artigos

Saudosos da ditadura engolem a língua

Altamiro Borges Publicado em 24.02.2012

Por determinação do comandante do Exército, Enzo Perri, o “manifesto” com críticas à presidente Dilma Rousseff assinado pelos três clubes militares, que reúnem os oficiais da reserva saudosos da ditadura, foi retirado do ar ontem. O texto gerou mal-estar na cúpula das Forças Armadas e resultou numa reunião emergencial com o ministro da Defesa, Celso Amorim. E não era para menos!

O documento criticava as ministras Maria do Rosário, da Secretaria de Direitos Humanos, e Eleonora Menicucci, da Secretaria das Mulheres, por suas defesas da Comissão da Verdade, que visa apurar os crimes da ditadura. Pior ainda, “cobrava” da presidenta a censura às ministras. Ele ainda atacava as “minorias sectárias e os partidos políticos” que lutam pelo resgate da memória histórica.

Ranço autoritário que persiste

No seu conjunto, o “manifesto” revela o ranço autoritário que persiste em setores militares. Num dos trechos, lembra a cantilena dos golpistas de 1964. “Ao completar o primeiro ano do mandato, paulatinamente vê-se a presidente afastando-se das premissas por ela mesma estipuladas”, referindo-se ao combate à corrupção.

Noutro trecho, ao se referir à ministra Eleonora Menicucci, ele parece ter sido escrito pelos torturadores do regime militar. “Ora, todos sabemos que o grupo ao qual pertenceu a senhora Eleonora conduziu suas ações no sentido de implantar, pela força, uma ditadura [comunista], nunca tendo pretendido a democracia”.

Viúvas da ditadura continuam ativas

O texto foi assinado pelos presidentes do Clube Militar, Renato Cesar Tibau Costa, do Clube Naval, Ricardo Cabral, e do Clube da Aeronáutica, Carlos de Almeida Baptista – todos na reserva. Ele confirma a existência de um setor militar saudoso da época das torturas e assassinatos, que até hoje trata o golpe de 1964 como “revolução” e venera as barbaridades praticadas pela ditadura.

Diante das reações, o “manifesto” foi retirado do sítio do Clube Militar. No seu lugar, foi postada uma nota lacônica: “Com relação à nota Manifesto Interclubes Militares de 16/02/2012, os presidentes dos clubes militares desautorizam o referido documento” – que eles mesmos haviam assinado. O aparente recuo, porém, não deve tranqüilizar as forças democráticas.

As “viúvas da ditadura” continuam ativas na sociedade. É só lembrar a campanha presidencial de 2010, quando o tucano Serra foi recebido no Clube Militar como a salvação diante do “perigo comunista”. Ou dos vários artigos golpistas de “calunistas” da mídia – a mesma que apoiou o golpe e a ditadura militar.

Fonte: Blog do Miro