Artigos

Por que a mediação brasileira irritou tanto a Europa

Gilles Lapouge Publicado em 24.05.2010

Depois de ter assinado com o primeiro-ministro turco, Recep Tayyp Erdogan, um acordo com o Irã sobre o programa nuclear iraniano, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse que “a diplomacia saiu vitoriosa”. Mas essa não é a opinião dos diplomatas europeus, que, sem rejeitar o acordo de segunda-feira, fizeram caretas, dizendo que “o Irã está de novo com as cartas na mão”.

Os israelenses estão ainda mais descontentes. Eles odiaram o acordo, mas fizeram uma distinção entre os dois responsáveis. A Turquia, cujas relações com Jerusalém deterioraram-se depois da guerra na Faixa de Gaza, voluntariamente prestou-se às “manobras iranianas”. Já Lula, “pecou pela ingenuidade”, sugerindo que o Brasil, pouco habituado aos ardis da diplomacia, caiu “na armadilha iraniana”.

Esse desânimo espanta. Na verdade, o acordo entre Brasil, Turquia e Irã reproduz o mecanismo de troca de urânio concebido em Viena em outubro de 2009 pela Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA). Na ocasião, EUA, França e Rússia consideraram o sistema engenhoso. Mas o Irã o rejeitou.

Ora, os mesmos que aprovaram esse texto, em vez de saudar a virtuosidade de Lula e Erdogan, resmungam. À primeira vista, podemos pensar que os grandes da diplomacia mundial, simplesmente ficaram melindrados ao ver que Ancara e Brasília obtiveram de um só golpe o que os “gênios” não conseguiram. “O Irã está com as cartas na mão”, opinou o francês Bruno Tertrais, da Fundação para Pesquisa Estratégica. “Os ocidentais devem agora empreender uma grande batalha de relações públicas.”

O nervosismo da França é mais observado contra a Turquia, que a diplomacia francesa não aprecia (Sarkozy rejeita a entrada da Turquia na União Europeia). Muito menos visível no caso de Lula porque a França tem um velho hábito de amar o Brasil. Lula é o chefe de Estado mais admirado pelos franceses (mais do que Barack Obama). E Sarkozy, como todos os franceses, gosta do Brasil e de Lula.

__________________________________________________________________

Fonte: jornal O Estado de S. Paulo