Artigos

Ex-iugoslavos ainda esperam bondades do capitalismo

Vesna Peric Zimonjic Publicado em 21.05.2010

Após as guerras de secessão dos Bálcãs na década de 90, a região, que se dividiu em Bósnia-Herzegovina, Croácia, Eslovênia, Kosovo, Macedônia, Montenegro e Sérvia, sofreu uma “dolorosa transição” para uma economia de mercado. Segundo estudo do Pnud, privatizações foram pouco transparentes. Em vários casos, empresas foram vendidas por cifras nominais de poucos euros e os novos proprietários não fizeram nada com elas. Sérvia, Croácia e Bósnia-Herzegovina se converteram em “Estados reféns”, nos quais os governantes permitiram com que delinqüentes ou “redes mafiosas” violassem a lei de forma flagrante e tirassem proveito “de transações nebulosas com funcionários e autoridades.”

A população da desintegrada Iugoslávia ainda espera a chegada do prometido grande crescimento econômico e rápido desenvolvimento que viriam com o capitalismo. Há milhões de pessoas pobres e entre 2 e 3% de ricos, segundo estatísticas oficiais. Após as guerras de secessão dos Bálcãs na década de 90, a região, que se dividiu em Bósnia-Herzegovina, Croácia, Eslovênia, Kosovo, Macedônia, Montenegro e Sérvia, sofreu uma “dolorosa transição” para uma economia de mercado, indicam analistas. A situação começou a se deteriorar entre 1991 e 1995, quando terminou o regime socialista liberal que caracterizou a Iugoslávia desde o fim da Segunda Guerra Mundial (1939-1945).

A economia regional está em um estado lamentável, se comparado ao de 1989, quando estava especialmente bem. O caso da Eslovênia é diferente porque era uma das regiões mais desenvolvidas da Iugoslávia e ingressou na União Européia em 2004. O processo de privatização e a transição para uma economia de mercado foi totalmente distinto ao de outros países da Europa oriental, após a queda do muro de Berlim, em 1989, segundo especialistas. “Não se viram gerentes comunistas espertalhões ou empresários internacionais de duvidosa reputação envolvidos nas privatizações”, diz o analista Misa Brkic, em entrevista a IPS. A pobreza que existe hoje nesta região não é um fato repentino causado pela atual crise econômica mundial. “As elites locais aproveitaram as devastadoras guerras para ficar com o poder e colocar sua gente na frente da economia. Não puderam nem souberam jogar em função das regras de mercado”, acrescenta.

A guerra causou mais de 120 mil mortes. As perdas econômicas foram de bilhões de dólares com a destruição de fábricas, empresas, edifícios privados e públicos, aniquilação da produção e a falta de exportações para o desaparecido mercado comum. O custo da destruição na Sérvia chegou a mais de 17 bilhões de dólares, após o bombardeio da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) em 1999, com o objetivo de terminar com a repressão do regime do ex-presidente Slobodan Milosevic (1941-2006) contra os albaneses de Kosovo. A situação dissuadiu as empresas internacionais de realizar investimentos importantes na região, assinalou Brkic. O que ocorre desde 2008 “não é mais que o resultado inevitável da combinação da situação local deteriorada e da recessão mundial”.

A falta de atividade econômica é típica. As pessoas querem cada vez mais ajuda do Estado. O desemprego afeta cerca de 20% da população ativa da Sérvia e da Croácia e mais de 45% na Bósnia-Herzegovina. “A mentalidade socialista custa a morrer”, comenta Brkic. “Nunca adotamos a crença de que há uma relação entre quantidade de trabalho e qualidade de vida. Por isso, há protestos diários frente aos edifícios governamentais. Os trabalhadores reclamam salários e empregos ao Estado”.

Os aposentados dependem de pensões, cujo valor caiu a umas poucas centenas de dólares por mês. Os cofres do Estado minguam pela baixa arrecadação de uma economia estagnada e de poucos recursos deixados pelas privatizações. “A indústria e o comércio croata foram vítimas da louca idéia de Franjo Tudjman (líder independentista e ex-presidente já falecido) que criou 200 famílias muito ricas para lançar uma economia bem sucedida”, disse Zarko Modric à IPS. “Mas só a sua turma ficou com os recursos da privatização. As outrora pujantes indústrias e empresas exportadoras foram vendidas por pouco dinheiro a pessoas que não souberam administrá-las”, assinala.

A solução mais fácil para o Estado ao término da guerra de 1995 foi aposentar centenas de milhares de veteranos empresários, cujas empresas tinham sido destruídas pelo bombardeio em zonas de combate ou pelas privatizações, explica Modric. “A quantidade de aposentados é apenas um pouco menor que a de empregados na Croácia. As pensões e outras categorias sociais consomem boa parte do orçamento estatal. O governo pede empréstimos, mas sob condições cada vez mais severas”, adverte. “A dívida externa desse país equivale hoje ao seu Produto Interno Bruto, algo em torno de 55 bilhões de dólares. O Estado é prisioneiro dessa dívida”.

Em 2003, a Croácia, com 4,3 milhões de habitantes, alcançou 69% do PIB que tinha em 1989; enquanto a Sérvia, com 7,3 milhões de pessoas, o fez somente em 2009. A situação é ainda pior na Bósnia-Herzegovina, um país de 3,5 milhões de habitantes, que após a guerra ficou conformada por duas entidades: a República dos sérvio-bósnios, e a Federação Croata-Muçulmana. A corrupção, a violação das leis, a fuga de cérebros, as divisões étnicas entre bósnios muçulmanos, croatas e sérvios, “arraigados a suas entidades”, são apontadas como as principais razões da estagnação econômica do país, segundo um estudo realizado em 2009 pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud).

Uma investigação aprofundada, “Privatização do capital estatal na Bósnia-Herzegovina”, descreve o processo de reconstrução entre 1995 e 2000, a privatização e a transição para uma economia de mercado até 2009. Do mesmo modo que a Sérvia e a Croácia, a Bósnia-Herzegovina se converteu em um “Estado refém”, no qual os governantes permitiram com que delinqüentes ou “redes mafiosas” violassem a lei de forma flagrante e tirassem proveito “de transações nebulosas com funcionários e autoridades”, segundo o Pnud. As privatizações foram pouco transparentes. As empresas foram vendidas por cifras nominais de poucos euros e os novos proprietários não fizeram nada com elas.

Os cofres do Estado ficaram sem o dinheiro das privatizações, o que fez cair as já magras aposentadorias e a assistência social. “Quando a população da desintegrada Iugoslávia se queixa de que nunca foi tão pobre, eu explico que não podem compreender o que ocorreu, apesar de terem sido testemunhas de tudo”, sustenta Brkic. “Muita gente acredita que não é preciso trabalhar para viver bem. Mas a realidade é dolorosa e ninguém escapa dela. A transição é dura, mas deve ser feita rapidamente para que o dano seja menor”, sustenta. “Há 20 anos que vivemos nesta situação, mas os governantes, os especialistas e os acadêmicos devem alcançar um consenso para acelerar o processo”, conclui.

________________________________________________________________

Fonte: IPS, na Carta Maior

Tradução: Katarina Peixoto