Autores - A polêmica sobre A Esquerda Ausente, de Domênico Losurdo

No mesmo "A Esquerda ausente" e a China: um discurso de Aldo Trotta

Aldo Trotta Publicado em 26.01.2015

Enquanto no Ocidente se viu a redução gradual do estado de bem-estar, o cancelamento dos direitos que se tinha finalmente conquistados, a suspensão da dimensão do futuro horizonte existencial não só da geração mais jovem; a ascensão econômica tumultuada da China tem permitido a implementação de políticas sociais que têm libertado da fome centenas de milhões de seres humanos alem de aumentar drasticamente o nível geral das condições de vida, de sua "condição humana", bem como suas expectativas de um futuro cheio de novas perspectivas de emancipação.

O artigo que Canfora dispõe (e talvez elabore com pressa nos limites presumivelmente impostos pelo Corriere della Sera) dedicado ao volume recente de Domenico Losurdo, “A Esquerda Ausente”, oferece uma oportunidade para fazer algumas observações e perguntas. A discussão do texto é mais do que louvável, tanto em sua análise da história e da política ampla, bem como da multiplicidade e riqueza de conteúdos abordados com grande clareza, coisa que o próprio Canfora reconhece, e que se aplica por fora da leitura do livro. De todo modo, é a dissidência que precisa de atenção, até porque isso toca em uma questão importante, no que, a meu ver, infelizmente deixaria em farrapos a esquerda italiana (e não só italiana), ou seja, o orçamento da rota histórica tomada pela República da China desde 1949 e, portanto, o juízo político sobre sua estrutura econômico-social e seu papel no contexto globalizado de hoje. Pois bem, a posição de cânfora é um pouco conflituosa. A crítica que se dirigiu ao autor do livro é, em essência, o que se experimentou com “embaraço” num “esforço de hermenêutica equivocada” para “justificar” o que é claramente injustificável, ou o que a China criou é “exatamente o contrario” em comparação as expectativas de que, inicialmente, acompanhou a revolução de Mao, concretizando de fato . Daí, conclui que a realidade econômica e social atual do grande país asiático é pouco ou nada diferente de sociedades ocidentais. Contudo as coisas não são bem assim. Enquanto no Ocidente se viu a redução gradual do estado de bem-estar, o cancelamento dos direitos que se tinha finalmente conquistados, a suspensão da dimensão do futuro horizonte existencial não só da geração mais jovem, a ascensão econômica tumultuada da China tem permitido a implementação de políticas sociais que têm libertado da fome centenas de milhões de seres humanos alem de aumentar drasticamente o nível geral das condições de vida, de sua "condição humana", bem como suas expectativas de um futuro cheio de novas perspectivas de emancipação. Nos últimos vinte anos, o nível salarial dos trabalhadores chineses - como já foi referido por outros - tem crescido a uma média de 10% ao ano na região de Xangai, por exemplo, desde 1993, os salários aumentaram de 210 para 1.450 yuan; no relatório de 2013, sobre "Direitos Globais", publicado na Itália pela Ediesse, você pode ler que na China, "o custo do trabalho aumentou e, para algumas categorias de trabalhadores qualificados, o salário começa a tocar a US $ 700 por mês. A este ritmo, considerando-se o poder de compra, o custo de mão de obra chinesa nos mercados internacionais serão colocados dentro de cinco anos no nível dos EUA como também na zona euro "(em Pieranni Simone, o novo sonho chinês, manifesto libri, 2013, pp. 108 e 110); o sistema de segurança social atingiu um nível de cobertura quase universal; o sistema de ensino e do setor da saúde têm feito importantes passos adiante, permitindo que a expectativa da natalidade subira próximo aos valores dos Estados Unidos e dos países europeus mais ricos; além disso, o principal indicador para a avaliação do desenvolvimento humano (IDH) sugerem uma melhora: em 2013, a China tornou-se parte dos países com alto índice de desenvolvimento humano (Relatório de Desenvolvimento Humano 2014 sustentação do progresso humano: redução das vulnerabilidades e construção da resistência (documento para download a partir de www.undp.org). Poderíamos continuar a lista, uma vez que há muita documentação disponível. O impressionante crescimento econômico da China também tem impulsionado e está dirigindo, em grande parte, o de outros países que até a poucos anos atrás representavam o Terceiro Mundo subdesenvolvido, permitindo ultrapassar pelo menos parcialmente as condições do atraso e da pobreza alem da total subordinação ao Ocidente, cujo domínio incontestado pode começar sua conclusão, como nos anos 60 e 70, como também queria que a esquerda ocidental. Sua transferência de capital e tecnologia, o investimento maciço em infraestruturas e obras públicas (estradas, ferrovias, hospitais, escolas, usinas de energia, etc.), promovendo o desenvolvimento do comércio, o alívio da dívida, cooperação agrícola, assim como permitiu que os países mais atrasados da África pudessem tomar um caminho para sair de uma condição secular da opressão colonial e persistente negação do direito fundamental à vida "nos últimos 60 anos, nenhum país já produziu um impacto maior no tecido político-econômico e social da África, como a China, desde o início do milênio "(Dambysa Moyo, assassinato Charity, Rizzoli, 2010);" graças a uma doação do governo chinês - escreve Grappling - até mesmo os leões no zoológico Niamey, capital do Níger, hoje são melhores: em 2010 foi entregue por um navio de recipiente em Xangai uma nova gaiola "de cinco estrelas" made in China"(Federico Rampini, Far West, Mondadori, 2000, p. 67). No plano político, mais do que em descontinuidade radical em relação às expectativas iniciais alimentados pela revolução de 1949, está em plena continuidade com os princípios que surgiram em 1955 na Conferência de Bandung: a luta contra a pobreza e o subdesenvolvimento, o apoio à paz e igualdade entre as nações, num quadro de cooperação internacional, não interferência nos assuntos dos outros e de "coexistência pacífica", mas ainda representam os pilares da política externa chinesa, apesar da sucessão de ações e projetos de contenção e impulsos militaristas evidentes, que, com uma possível vitória dos republicanos nas próximas eleições presidenciais dos Estados Unidos pode se tornar ainda mais pronunciada. Mas, mesmo em nível teórico, este processo gigantesco e pacífico de saída dos círculos infernais de "extrema necessidade" acredita-se que a expressão de uma continuidade significativa com o coração palpitante da tradição filosófica e política hegeliana-marxista que, em contraste radical com o "sagrado" direito à fruição livre e inviolável da propriedade privada realizada pelo pensamento liberal, tem teorizado e reivindicado o direito absoluto à vida. É prioridade o direito de sobrevivência que as autoridades chinesas consideram e continuam a fazer seu eixo principal, que foi reconhecido, em 2009, por Michel Forst, comissário-geral da Comissão de Direitos Humanos, reunido em Paris com uma delegação chinesa liderada por Luo Hocai, Presidente da Companhia chinesa para o estudo dos direitos humanos. Forst não só elogiou os progressos realizados pela República Popular, mas observou - segundo um historiador autoritário da China contemporânea - a República Popular "poderia assumir um papel mais importante a nível internacional no domínio dos direitos humanos" (Guido Samarani, China, o século XXI, Einaudi, 2010, p. 124, grifo do autor). Um reconhecimento semelhante sobre o valor universal - como a luta de classes marxista - está a assumir este processo difícil de emancipação, é claro, também a partir do Relatório de Desenvolvimento Humano 2013: progresso humano num mundo em mudança, compilado pelas Nações Unidas, em que sublinha que "a dramática transformação de um grande número de países em desenvolvimento nas principais economias, com uma influência política dinâmica e em crescimento, está a ter um impacto significativo no desenvolvimento humano. [...] A ascensão do Sul deve ser entendida em termos de desenvolvimento humano integral como a história de uma impressionante expansão de capacidades individuais e progresso sustentado no desenvolvimento humano dos países que abrigam a maioria da população mundial. Quando dezenas de países e milhares de milhões de pessoas subirem a escada do desenvolvimento humano, como eles estão fazendo hoje, haverá um impacto direto sobre a criação de riqueza e de progresso humano mais amplo em todos os países e regiões do planeta "(documento pode ser baixado a partir de www.undp.org local). Em suma, estamos diante de um modelo de desenvolvimento e uma nova perspectiva para configurar ordens socioeconômicas inclusivas e fundamentalmente caracterizadas por relações de cooperação, não em contraste radical com esperanças não realizáveis, mas com o subdesenvolvimento excludente que durante séculos foi imposto para multidões de indivíduos considerados e tratados como escravos e animais. Obviamente, não é tudo rosas e flores, e em todo caso não é de se sentir satisfeito. O maciço processo de ascensão da China (assim como o Brasil, a Índia e outros países do Terceiro Mundo) está repleto de contradições, de enormes desequilíbrios, de profundas desigualdades, formas e condições de exploração do trabalho inaceitável, que não são negados ou dispensados. E Losurdo não faz, nem em seu último volume nem em escritos anteriores, assim como não fazem as autoridades chinesas, ciente das deficiências e limitações dos desafios atuais e futuros: o fosso entre a cidade e o campo e entre as regiões, a questão ambiental, a continuação da luta contra a pobreza, o crescimento da população, redução das desigualdades, etc ... Cânfora tem razão em dizer que o olhar do autor do texto indica a simpatia para a República Popular. Mas vale a pena mencionar que esta posição simpática é amplamente compartilhada por muitos países e povos da África e da América do Sul, laboriosamente consumado, de acordo com as realidades e culturas específicas, na estrada de modernização e construção de uma sociedade mais justa e menos desumana.
Se, portanto, é mais do que adequado evitar desculpas apaixonadas e tomar uma atitude crítica, por que se olha com antipatia ou, mais ainda, com aversão ao caminho ideológico e político que tem realizado isto? Pode a esquerda deixar para a Europa e os Estados Unidos, em cada lado, imaginar ou esperar que o colapso do sistema político da China e o fim do poder do Partido Comunista, que, para além de uma dúvida razoável levaria ao desaparecimento parcial, dos objetivos relevantes alcançados até à data, bem como o enfraquecimento e recuar, mesmo naqueles países que, graças ao seu papel e compromisso estão tentando sacudir o jogo duradouro e pesado do Ocidente capitalista para fornecer aos seus povos, direitos e condições econômicas e sociais de vida inimaginável até há cerca de 30 anos atrás? O caminho percorrido pela China, mesmo na fase que começou com as reformas de Deng Xiaoping, pode ser realisticamente considerado, sem negar ou justificar - vale repetir - limitações, deficiências e distorções, uma rota na direção da emancipação humana. A menos que o orçamento histórico e o julgamento político resultante não tenham como horizonte de comparação a utopia secular ou a perspectiva religiosa da transmutação da natureza humana.

Tradução de João Victor Moré Ramos
(Mestre em Geografia pela Universidade Federal de Santa Catarina)