Especiais - Guerrilha do Araguaia, uma geração de armas nas mãos contra a ditadura

Filme comemora 100 anos de João Amazonas e Maurício Grabois

Publicado em 12.04.2013

O filme Companheiros narra a história dos comunistas João Amazonas e Maurício Grabois, que estariam completando 100 anos de vida em 2012. Depoimentos contam a trajetória das lideranças. “Além de companheiros, fomos amigos”, escreveu Jorge Amado, que foi colega de bancada de Grabois na Constituinte de 1946.

Para Renato Rabelo, presidente nacional do Partido, “existimos como Partido revolucionário e propositivo graças as nossas lideranças que dedicaram suor e sangue para fazer do PCdoB o que ele é hoje. E manter essa característica é o nosso maior desafio”.

“Você não pode falar da história do país, do século 20, sem falar dos comunistas e não pode falar dos comunistas sem falar de Maurício Grabois”, afirma o escritor Osvaldo Bertolino, também editor do Portal da Fundação Maurício Grabois.

No filme, o ex-presidente Lula conta das lições que aprendeu com os comunistas. “O João Amazonas foi a primeira pessoa a me convencer de que em política a gente não realiza apenas o desejo que a gente tem, a gente realiza aquilo que é possível realizar”, declarou em 2005, durante o 11º Congresso do PCdoB.

João Amazonas de Souza Pedroso nasceu em 1º de janeiro de 1912, em Belém (PA), e faleceu em 27 de maio de 2002, em São Paulo. Foi um teórico marxista, político revolucionário, guerrilheiro do Araguaia e líder do Partido Comunista do Brasil.

Maurício Grabois nasceu em 2 de outubro de 1912, em Salvador (BA), e foi assassinado, durante a Guerrilha do Araguaia, em 25 de dezembro de 1973, em Xambioá. Foi um dos dirigentes mais queridos do povo brasileiro, ao lado de Luís Carlos Prestes, Carlos Marighella e João Amazonas.