Especiais - PAULO FONTELES FILHO, homenagem a 45 anos de luta

Movimentos: Trajetória de lutas de Paulinho Fonteles se mantém viva

Redação Publicado em 24.10.2017

Vida de Paulinho dedicada à luta contra os crimes da ditadura militar e contra as violações no campoVida de Paulinho dedicada à luta contra os crimes da ditadura militar e contra as violações no campo

Movimentos sociais divulgaram nota de solidariedade aos familiares do dirigente comunista e ativista de direitos humanos Paulo Fonteles Filho que faleceu nesta quinta-feira (26), acometido por infarto fulminante. Consternadas com a morte prematura de Paulinho, aos 45 anos, as entidades ressaltam que a luta do comunista em defesa dos direitos humanos prosseguirá.

A Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB) afirmou que “Fonteles seguiu firme na denúncia dos crimes cometidos pela ditadura militar e sempre na linha de frente das principais lutas no estado do Pará”. A central lembrou que o militante pôs a “vida constantemente em risco” ao enfrentar as elites locais.

“Paulo Fonteles Filho se foi, mas seu legado e ideais seguirão firmes como farol para a luta em defesa de um Brasil livre, mais justo e sem opressão”, afirmou a nota da CTB.

Joaquim Pinero, da direção nacional do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) lembrou que Paulinho foi um “grande militante das causas populares e direitos humanos” e “histórico amigo do MST”.

A nota continuou afirmando: “Uma grande perda. Seguiremos em frente. Te levaremos conosco até o mundo livre que tanto sonhaste!”.

Trajetória incontestável

O Instituto Paulo Fonteles de Direitos Humanos, que era presidido por Paulinho, também divulgou nota em que fala da profunda tristeza que ficou. “Todos nós estamos consternados nessa manhã triste, com essa perda! Mais fica a saudade e seu exemplo pra luta do povo e por uma sociedade mais justa, mais fraterna e socialista”.

A nota do Instituto definiu Paulinho como “um dos mais brilhantes e atuantes defensores da Luta do Povo e dos Direitos Humanos. Sua trajetória é incontestável”.

À frente do Instituto, da Comissão Estadual da Verdade e do Comitê Paraense pela Verdade, Memória e Justiça, Paulinho Fonteles teve papel destacado “pelo resgate da memória, da verdade e da justiça para apuração dos crimes cometidos pela ditadura militar nos anos de chumbo no Brasil”.

Desfalque insubstituível

Nota do Sindicato dos Bancários do Pará afirmou nesta quinta que Paulinho deixa uma grande lacuna na luta em defesa dos direitos humanos no Pará. “Será sempre lembrado pela sua história dedicada às lutas da juventude e dos movimentos sociais no Pará.”

A Central Única dos Trabalhadores no Pará descreveu a morte de Paulinho como "um desfalque insubstituível".

"Nós que construímos e fazemos a CUT Pará sentiremos a falta da sua parceria, do seu compromisso, da sua garra e do seu jeito menino de ser", lembrou a nota. De acordo com a entidade os dias difíceis porque passa o Brasil vão passar "E aí camarada Paulinho, pode ter certeza, que nós faremos a festa por você", acrescenta a nota da CUT-PA.