Prosa@Poesia

NEGRA!

Joaquim Cordeiro da Mata Publicado em 30.09.2015

Em trecho do prefácio, o poeta Alberto da Costa e Silva, que já foi presidente da Academia Brasileira de Letras, ressalta que todos os poetas dessa coletânea da África de língua portuguesa viveram a comum experiência do império e quase todos puseram suas vontades na luta contra o colonialismo. Não se estranhe, por isso, que o idioma que foi de opressão e mando seja usado, em alguns deles, com remorso, mágoa e, aqui e ali, rancor ou amargura. Mas é em português que expressam o que sentem - e o que sentem com a intensidade de poetas.

I

Negra! negra! como a noite
d’ uma horrível tempestade,
mas, linda, mimosa e bella,
como a mais gentil beldade!
Negra! negra! como a asa
do corvo mais negro e escuro,
mas, tendo nos claros olhos,
o olhar mais límpido e puro!

Negra! negra! como o ébano,
seductora como Phedra,
possuindo as celsas formas,
em que a boa graça medra!
Negra! negra!... mas tão linda
co’os seus dentes de marfim;
que quando os lábios entreabre,
não sei o que sinto em mim!...

II
Só, negra, como te vejo,
eu sinto nos seios d’ alma
arder-me forte desejo,
desejo que nada acalma.
se te roubou este clima
do homem a cor primeva;
branca que ao mundo viesses,
serias das filhas d’ Eva
em belleza, ó negra, a prima!...
gerou-te em agro torrão;
S’ elevar-te ao sexo frágil
temeu o rei da criação;
é qu’és, ó negra creatura,
a deusa da formosura!...

____________________________________________
*Poeta de Angola

Livro: Poesia Africana de Língua Portuguesa
Antologia
Organizadores: Maria Alexandre Dáskalos
Livia Apa
Arlindo Barbeitos
Editora: Lacerda Editores, 2003