Prosa@Poesia

Poema do Ferro e do Sangue

Lúcio Cardoso Publicado em 10.09.2015

Este é o primeiro texto em versos do escritor Lúcio Cardoso, que estreara em 1934 na cena literária com o romance "regionalista" Maleita. Curiosamente, um dos raros poemas de temática histórico-social, junto com Poema Heróico, este expressa o clima belicista da recente aliança entre Hitler e Mussolini. No conjunto de sua obra, segue fiel e quase ininterruptamente pela senda da introspecção e das representações interiores. Ao acolher a matéria da história, este "poema de guerra" como que coloca entre parênteses a obsessiva introspecção na lírica cardosiana. (Ésio Macedo Ribeiro)

Esqueceram os campos revolvidos

onde vegetam perdidos
os ossos obscuros
calcinados
de dez milhões de mortos.

 

Esqueceram as cruzes improvisadas
erguendo para o alto
preces de galhos retorcidos.

 

E esqueceram o rumor das granadas
revolvendo a terra e os vivos
devorando os mortos
destruindo.

 

Na cabeça do homem só existe
o rumor do ferro que forja
novos canhões
novas metralhas
novos fuzis
para a geração condenada do futuro.

 

[O Globo, 9 Abril. 1934]
[Estado de Minas e Diário da Tarde, 22 Maio 1934

Livro: Poemas Inéditos

Organizador: Octávio de Faria

Obra póstuma

Editora: Nova Fronteira-Rio de Janeiro-  Ano 1982