Prosa@Poesia

Canção das fronteiras

Du Fu Publicado em 14.08.2015

No princípio da Dinastia Tang (618-907), a “idade de ouro” da literatura chinesa clássica, as pesquisas formais e estudos lingüísticos haviam alcançado alto grau de refinamento na China. Chegou-se, à época, a uma codificação e definição precisas das formas em uso, as quais constituiriam os modelos clássicos, que predominaram até o advento do Modernismo, nas primeiras décadas do século 20. Du Fu (712 - 770 d.C.) é considerado o maior poeta chinês ao lado de Li Bai, escrevendo uma poesia mais claramente filosófica que este. Como poeta, sobressaiu-se em todas as formas de versos e caracterizou-se pela linguagem rica e variada, pelo magnífico domínio das regras da métrica e pelo profundo sentimento de humanidade.

 

Tendendo o arco, mantê-lo bem tenso;
quando se escolha a flecha, seja longa.
Visar cavalos antes que os homens;
se há prisioneiros, os chefes primeiro.

 

Toda matança deve ser limite,
todo país mantenha-se às fronteiras.
Se um invasor se pode repelir,
por que ferir e massacrar também?

 

Livro: Antologia da poesia clássica chinesa Dinastia Tang Autor: Du Fu Tradução, organização, notas e introdução: Ricardo Primo Portugal e Tan Xiao Editora: Unesp