Prosa@Poesia

Um son para Portinari

Nicolás Guillén Publicado em 23.05.2014

Um son para Portinari

 

 

Para Cândido Portinari,


mel e rum bom


e um violão de açúcar


e uma canção


e um coração


Para Candido Portinari


Buenos Aires e um bandoneon.

 


Ai,esta noite se pode,


se pode ,


ai , esta noite se pode,


se pode ,


se pode cantar um son!

 

 

Sonha e fulgura.


- Um homem que tem mão dura,


feito de sangue e pintura,


grita na tela.


sonha e fulgura


o seu sangue de mão dura;


sonha e fulgura

como talhado com vela;

 

sonha e fulgura


como uma estrela na altura;


sonha e fulgura


como voa a chispa bela ...


Sonha e fulgura

Assim com sua mão dura,


feita de sangue e pintura


sobre a tela,


sonha e fulgura


um homem que tem mão dura.


Portinari o desvela

 

e o magro peito lhe cura


ao homem que tem mão dura


que esta gritando na tela,


feito de sangue e pintura.


Sonha e fulgura.

 

 

Nicolás Guillén - Antologia poética