Prosa@Poesia

AMAR – AMARO

Carlos Drummond de Andrade Publicado em 23.11.2011

AMAR – AMARO
 

por que amou por que amou
se sabia
p r o i b i d o  p a s s e a r  s e n t i m e n t o s
ternos ou desesperados
nesse museu do pardo indiferente
me diga: mas por que
amar sofrer talvez como se morre
de varíola voluntária vágula evidente?

ah PORQUE AMOU
e se queimou
todo por dentro por fora nos cantos nos ecos
lúgubres de você mesm(o, a)
irm(ã ,o) retrato espéculo por que amou?

se era para
ou era por
como se entretanto todavia
toda via mas toda vida
é indagação do achado e aguda espostejação
da carne do conhecimento, ora veja

permita cavaleir (o,a)
amig(o,a) me releve
este malestar
cantarino escarninho piedoso
este querer consolar sem muita convicção
o que é inconsolável de ofício
a morte é esconsolável consolatrix consoadíssima
a vida também
tudo também
mas o amor car(o,a) colega este não consola nunca as núncaras.

 

Carlos Drummond de Andrade Antologia Poética
São Paulo: Abril Cultural, 1982.