Prosa@Poesia

Hino a Deus

Bertolt Brecht Publicado em 08.07.2011

Hino a Deus


1
No fundo dos vales escuros morrem os famintos.
Mas você lhes mostra o pão e os deixa morrer.
Mas você reina eterno e invisível
Radiante e cruel, sobre o plano infinito.

2
Deixou jovens morrerem, e os que fruíam a vida
Mas os desejavam morrer, não permitiu...
Muitos daqueles que agora apodreceram
Acreditavam em você, e morreram confiantes.

3
Deixou os pobres, pobres, ano após ano
Porque o desejo deles era mais belo que o seu céu
Infelizmente morreram antes que chegasse a luz
Morreram bem-aventurados, no entanto – e
apodreceram imediatamente.

4
Muitos dizem que você não existe e que é melhor assim.
Mas como pode não existir o que pode assim enganar?
Se tantos vivem de você, e outro modo não poderiam
morrer –
Diga-me, que importância pode ter então que você
não exista?



Bertolt Brecht Poemas 1913 – 1956
Seleção e tradução de Paulo Cesar Souza
Editora Brasiliense 3 ed.