Prosa@Poesia

A Liberdade (26)

Catullo da Paixão Cearense Publicado em 13.12.2010

Ao maestro Adalberto de Carvalho e ao jornalista contemporâneo Fulgêncio Pinto

Poetas músicos, pintores!
Soldados e trovadores!
Filhos do sul e do norte,
de alma forte e peito forte!
pais e filhos de leões!
Cantemos um hino à glória,
vamos saudar a vitória,
que a liberdade saudando,
os Pampas estão cantando,
abraçados com os sertões!

Vinde a nós, bravos gaúchos,
Osórios e Florianos,
guerreiros super humanos
generais republicanos,
caroáveis vencedores!
Cavalgai os vossos pingos,
vossos cavalos valentes,
mas trazei, nas vossas frentes,
conduzindo a cavalgada,
a Liberdade montada
num corcel cheio de flores!

Vinde a nós, filhos de Minas,
que tereis as nossas palmas,
nossos aplausos candentes,
pois trazeis em vossas almas
as florações diamantinas
da alma de Tiradentes!

Cantemos um hino à glória,
poetas, filhos de leões,
que os Pampas estão cantando
abraçados com os sertões!

E tu, Caboclo cearense,
vaqueiro lá do sertão,
a quem o Brasil pertence,
porque o livraste das garras
da mísera escravidão!...
Tu, Juarez, (27) o grande escravo
da Liberdade e o Monarca
senhor da revolução!...
A ti só posso ofertar-te
como dádiva suprema,
em um futuro poema,
um poema do coração.

General! Eu sou marroeiro!
E como um grande campeiro
das vaquejadas do Amor,
só tenho um meio vaidoso
de te mostrar venturoso,
o meu culto interior.

Era vir, pelo silêncio
de um luar esplendoroso,
numa noite de calma e bela,
enluarando-te a janela
com a minha admiração,
oferta-te, como oblata,
uma linda serenata,
descantando uma modinha
do Ceará, no meu violão.

Dom Sebastião, (28) sacerdote,
ministro do Rei Divino,
mudai-vos num peregrino,
dêsses que o Senhor bendiz
e vagai, peregrinando,
por palácios e choupanas,
Falando às feras humanas,
tal São Francisco de Assis!

Chamai os inconscientes,
chamai a vós os dementes,
Êsses pequenos ateus,
que êles fiquem humilhados,
a vossos pés castigados,
vendo em vossos próprios olhos
a consciência de Deui!

General de Jesus Cristo!
Expulsai, num grande exemplo
Êsses vendilhões do templo
da República altaneira,
até que venham, de joelhos,
pedir-nos perdão um dia,
rezando uma Ave-Maria
aos pés da nossa bandeira!

Alcindo! Irineu Marinho!
Ruy! Quintino! Joaquim Serra!
Patrocínio, herói da guerra
contra a negra escravidão,
iluminai tôda a imprensa,
Para que, nesta conquista,
seja cada jornalista
um soldado idealista
da vossa religião!

Assim, meus caros patrícios,
devemos, neste momento,
depois de tanto tormento,
de tantas horas amargas,
elevar o pensamento,
rezando a Deus uma missa,
para que Getúlio Vargas,
após ter sido um guerreiro,
seja Cristo Brasileiro
do Amor, da Paz, da Justiça (29)


Luar do Sertão e outros Poemas Escolhidos – Catullo da Paixão Cearense Seleção organizada, anotada e revista por Guimarães Martins
Editora Ediouro