Prosa@Poesia

Pound final

Alexandre Pilati Publicado em 18.08.2008

*

O poeta é a antena da farsa
A antena é o pateta da raça
A roça é a antena do poeta
A força é o pateta da raça
O poeta é o atleta da dança
A raça é o poço da antena
O poeta é a massa da raça
A antena é o planeta da troça
A praça é a farsa da raça
O poeta é o profeta de louça
O planeta é a massa da raça
O poço é a antena do poeta
A lama é a roça da raça
O poeta é o lodo do planeta
O atleta é a antena da força
A raça é a força da roça
O poeta é a antena de Ipanema
A poça é a farsa da raça
A antena é o poeta na poça
Ipanema é a roça da raça
O poeta é a antena de louça
A força é a dança da antena
O poeta é o pateta da troça
O pó é o poeta da raça
O poeta é o pó da antena
A antena é o pó da poça
O poeta é o pó da roça
O pó tem antena na praça
A antena é a caça do poema
A raça é o pó do poema
O poeta é o Pound da praça
O Pound é a antena da poça
A raça é a boceta do Pound
O pau é antena do poeta
O poeta é o profeta pateta
A antena é a antena da antena
A raça é o pó do pau do poeta
A farsa é o sistema do poeta
A fossa é a praça do poeta
A praça é a fossa do Pound
O poeta é o sistema da troça
O sistema é a farsa da raça
O poeta é a antena do sistema
O profeta é a força da louça
O poeta é a raça da antena
A raça é a antena no poeta