Prosa@Poesia

Quem vê um monte de espumas

José Martí Publicado em 05.05.2008

*

Quem vê um monte de espumas,
é bem meu verso o que vê:
é meu verso um monte, e é
também um leque de plumas.

Meu verso é como um punhal
cujo punho é florescente:
é meu verso uma nascente
que lança água de coral.

Meu verso é de um verde claro
e de um carmim incendido:
meu verso é um cervo ferido
que busca no monte amparo.

Meu verso ao valente agrada:
meu verso, breve e leal,
tem o vigor imortal
do aço de que é feita a espada.

 

Grandes Vozes Líricas Hispano-Americanas
Seleção e Tradução: Aurélio Buarque de Holanda Ferreira
Editora Nova Fronteira – edição 1990