Prosa@Poesia

Versos sobre o passaporte soviético

Maiakóvski Publicado em 22.10.2007

*

Como um lobo
                        estraçalharia
                                          à burocracia.
Às credenciais
                        não lhes tenho respeito.
Que vão
             para o diabo
                                   todos os papéis!
Mas este...
Ao longo
                 dos camarotes e beliches
movimenta-se
                        um funcionário 
                                                  polido 
                                                             e obsequioso.
Cada qual entrega seu passaporte 
                                                        e eu entrego
minha caderneta escarlate.
Para certos passaportes, 
                                        um sorrizinho de mofa.
Para outros, 
                     um desprezo sem par.
Com respeito,
                       por exemplo, tomam
                                                         os passaportes
com o leão britânico
                                    estampado
                                                        nos dois lados.
Comendo o passageiro com os olhos,
                           fazendo mesuras e salamaleques,
pegam
          como se fosse uma gorjeta,
o passaporte
                     de um americano.
Para o polonês
         olham
                     como um cabrito para um cartaz.
Par a polonês,
                       franzindo a testa
numa burrice de policial,
                                         olham como quem diz:
“De onde vem isto?
                              Que novidade geográfica é esta?”
Mas é sem mover
                              a cabeça de repolho,
sem sentir
                 nenhuma emoção
que recebem
                     passaportes dinamarqueses,
suecos
           e outros tantos.
De repente,
                  como que lambida
                                               pelo fogo
                                                               a boca
do funcionário
                       se torce.
É que
           o senhor funcionário
                                            pegou
meu passaporte escarlate.
Pegou-o
              como a uma bomba,
                                              pegou-o
                                                           como a um ouriço,
como uma navalha afiada,
                                          pegou-o
                                                        como uma cascavel
de vinte aguilhões
                            e de dois metros a mais
                                                                 de comprimento.
Piscou o olho
                     ao carregador
                                           para que nos levasse
a bagagem de graça.
O polícia
               espiou para o tira.
                                            O tira espirou
para o polícia.
Com que volúpia
                            a casta de policiais
me açoitaria, crucificaria
por ter eu nas mãos, o
                                    passaporte da foice
e do martelo,
                    o passaporte soviético.
Como um lobo
                        estraçalharia
                                              à burocracia.
Às credenciais
                                 não lhes tenho respeito.
Que vão
              para o diabo
                                               todos os papéis,
mas este....
Da profundidade
                           de meus bolsos
retiro
          este grande documento
                                                de que estou provido.
Lede.
invejai-me!
                  Eu sou cidadão
da União Soviética!
                                                                                      

(1929)