Prosa@Poesia

A Hora dos Ferreiros

Pedro Tierra Publicado em 30.03.2007

*

Quando o sol ferir
com punhais de fogo
                                  e forja
a exata hora dos ferreiros,
varrei o pó da oficina
e a mansidão dos terreiros,
libertai a alma dos bronzes
e dos meninos
desatada em som
e nessa aguda solidão
que em ondas se apazigua
- ponta de espinho antigo -
na carne
                 do coração.
 
Convocai enxadas,
foices, forcados, facões,
grades, cutelos, machados,
a pesada procissão dos ferros
afeitos ao rigor da terra
                                   e da procura
e, por fim, as mãos,
                                   resignadas,
multiplicadas no cereal maduro.
 
Mãos talhadas em silêncio
                                       e ternura,
que plantam a cada dia
sementes de liberdade
e colhem ao fim da tarde
celeiros de escravidão.
 
Esgotou-se o tempo de semear
e inventou-se a hora do martelo.
Retorcei na bigorna outros anelos
e a força incandescente
deste mar de ferros levantados.
 
Esgotou-se o tempo de consentir
e pôs-se a andar
a multidão dos saqueados
contra os cercados do medo.
 
Homens de terra e relâmpago!
Convertei em fuzis vossos arados,
armai com farpas e pontas
a paz de vossas espigas!
 
(Do livro Dies Irae)