Prosa@Poesia

Quando se abre o ano do centenário da Revolução de Outubro, a felicidade é a luta

Pedro Tierra Publicado em 12.12.2016

A todas as companheiras e companheiros colhidos pela tormenta e que lutam contra ela, aos meninos e meninas que ocupam escolas para educar educadores, a palavra do poeta que os acompanha:

“Estamos de pé,

Para retomar a marcha interrompida.
Agora é a vigília.
Agora é a rua, a praça,
os becos, os morros, os cais,
os corações.
O chão da fábrica, o assédio à cerca do latifúndio.
As escolas ocupadas pelos que nasceram depois de nós. A guerrilha digital contra a acidez do ódio que sonha dissolver a invencível alegria de nossa gente.
Acreditem,
os sonhos do ódio, não vingam”.

1o de janeiro, quando se abre o ano do centenário
da Revolução de Outubro. A felicidade é a luta. Feliz 2017.