Prosa@Poesia

Água da lembrança

Nicolás Guillén Publicado em 20.12.2016

Tributo a Di Cavalcanti Foto: Rosa Praia

Quando se deu?

Que sei eu?

Água da lembrança

eu vou navegar.

Passou a mulata de ouro,

e eu a fitei ao passar:

laço de fita na nuca,

bata de cristal,

virgem de espádua recente,

tacão de recente andar.

 

Cana

(febril chamei-a em mim mesmo)

cana

tremendo sôbre o abismo,

quem te impelirá?

Que cortador com sua foice

te cortará?

Que engenho com seu trapiche

te moerá?

 

O tempo correu depois,

correu tempo sem parar,

eu para lá, para aqui,

eu para aqui, para lá,

para lá, para aqui,

para aqui, para lá...

 

Nada sei, nada se sabe,

nada saberei jamais,

nada têm dito os jornais, nada pude averiguar

sobre a mulata de ouro

que uma vez fitei ao passar,

laço de sêda na nuca,

bola de cristal.

virgem de espádua recente,

tacão de recente andar.

           

 

Livro: Antologia Poética

Seleção e Adaptação: Ary de Andrade

Editora: Leitura