Artigos

Barbárie imperialista: passado e presente

Sérgio Barroso Publicado em 02.08.2010

O filósofo italiano Domenico Losurdo, lançou em maio último, no Brasil, A linguagem do Império - léxico da ideologia estadunidense. Em 2006, Liberalismo: entre civilização e barbárie. Losurdo ilumina surpreendentes rotas de interpretação histórica; despedaça a fábula ideológica de que a Grã-Bretanha e os EUA sempre representaram o êxtase da democracia e dos direitos humanos universais.

Bastião de regime escravocrata e sanguinário, os EUA emergiram xifópagos: pioneiros em liberdades burguesas originárias, entretanto atracadas à violência para subjugar e aniquilar negros; ou massivo genocídio de ameríndios.

No século passado, diz Losurdo, o surgimento da Ku Klux Klan e da teoria da white supremacy ordenava linchar negros, acossar imigrantes orientais e europeus periféricos - eram de "civilização bastarda" ou uma "cloaca gentium" (cloaca humana). Ora, a ideia obsessiva de que a "eslavização" da Alemanha a levaria ao "cancelamento do elemento alemão" encontra-se já em "Mein Kempf", de Adolf Hitler (Liberalismo, p. 144).

Pós Guerra-Fria e com a alteração na correlação de forças no terreno militar, os EUA anunciaram ser o "preceptor do genêro humano". Tal tendência, "presente no momento de fundação dos Estados Unidos" - reitera Losurdo -, explicitara-se desde o covarde morticínio em Hiroshima e Nagasaki, patrocinado por Harry Truman (A linguagem, p. 278).

Nos sombrios tempos que correm, o professor doutor Christopher Busby (cientista e Diretor da Green Audit, e conselheiro científico do Comitê Europeu para os Riscos de Radiação) reuniu uma equipe de para pesquisa na cidade iraquiana de Falluja. A cidade é "proibida" desde os intensos bombardeios (2004) por americanos e aliados.

Os exames alcançaram 721 famílias de Falluja (4.500 pessoas), atingindo regiões de diferentes níveis de radiação... Urânio empobrecido (DU - Depleted Uranium), um resíduo da indústria nuclear.

Militares norte-americanos proibiram o professor Busby de obter quaisquer dados, alegando que Falluja é "zona insurgente". Autoridades ameaçaram prender os envolvidos na pesquisa, caso cooperassem com os "terroristas" entrevistados.

Em Cancer, Infant Mortality and Birth Sex-Ratio in Fallujah, Iraq 2005-2009, os achados de Busby em Falluja: crianças nascidas sem olhos, com duas e três cabeças, nascidas sem orifícios, nascidas com tumores cerebrais e retinais malignos, nascidas sem órgãos vitais, nascidas sem membros ou com excesso dos mesmos, nascidas sem genitais, nascidas com severas malformações cardíacas.

_________________________________________________________________________________

Médico, diretor de estudos e pesquisa da Fundação Maurício Grabois

Artigo originalmente publicado no jornal Gazeta de Alagoas